Símbolos: O Círculo – “O Homem e Seus Símbolos” (1964)

 

Vamos falar sobre um dos símbolos mais antigos e sempre presentes, o círculo.

A Dra. Marie Louise Von Fraz explicou o círculo (ou esfera) como um símbolo do self: ele expressa a totalidade da psique em todos os seus aspectos, incluindo o relacionamento entre os homens e a natureza. Não importa se o símbolo do círculo está presente na adoração primitiva do sol ou na religião moderna, em mitos ou em sonhos, nas mandalas desenhadas pelos monges do Tibete, nos planejamentos das cidades ou nos conceitos de esfera dos primeiros astrônomos, ele indica sempre o mais importante aspecto da vida – sua extrema e integral totalização.  Continuar lendo “Símbolos: O Círculo – “O Homem e Seus Símbolos” (1964)”

Mestre ou Desastre: A Arte de Viver entre a Mente e Não-Mente

 

“Um caminho espiritual genuíno não evita dificuldades ou erros, mas nos leva a arte de fazer erros despertos, trazendo-os para o poder transformador do nosso coração.” -Jack Kornfield

Seu ego é um instrumento, uma ferramenta, o mecanismo de alavancagem primitivo do self. Alguns até dizem que é o self. Ele está lá para equilibrar (mestre) ou dissociar (desastre) a nossa energia única, com a energia primordial do cosmos. É para sempre o meio de conexão e desconexão, de apego e desapego, dividida entre finitude e infinito. Quando o ego está sendo usado para dissociar, sua energia é co-dependente e é dividida entre o lamacento passado e o estar ansioso sobre o futuro.

Continuar lendo “Mestre ou Desastre: A Arte de Viver entre a Mente e Não-Mente”