O Jardim do Eden ou o Paraíso Achado & Perdido (The Garden of Eden or The Paradise Lost & Found) por Victoria Claflin Woodhull 1890

Victoria Claflin Woodhull foi uma mulher do Séc.19, feminista, espiritualista e dedicada ao amor livre. Ela foi a primeira mulher a concorrer a presidência em 1872, a primeira mulher tradutora e revisora de livros e publicou a primeira edição americana do “Manifesto Comunista”.

Sua visão de que as mulheres deveriam ser livres para se casar e ter amantes com base na consciência, não na compulsão, a colocou em desacordo com outras feministas. . Ela foi condenada por enviar obscenidades através de artigos quando seu jornal publicou um escândalo sexual envolvendo dois pregadores proeminentes. Em seus últimos anos Woodhull mudou para a Inglaterra, casou-se com um banqueiro respeitável, após isso, dedicou bom tempo e grande esforço tentando voltar atrás sobre seu passado radical.

Continuar lendo “O Jardim do Eden ou o Paraíso Achado & Perdido (The Garden of Eden or The Paradise Lost & Found) por Victoria Claflin Woodhull 1890”

A Virgem

 

“Antigas sacerdotisas da lua eram chamadas de virgens. ‘Virgem’ então significava não casada, [mulher] que não pertence a um homem – uma mulher que era “uma-por-si-só”. A própria palavra “virgem” deriva do latim e significa força, resistência, habilidade; e foi posteriormente aplicada aos homens: viril. Ishtar, Diana, Astarte, Isis eram todas consideradas virgens, o que não se referia à castidade mas à independência sexual. Todos os grandes heróis das culturas antigas, míticos ou históricos, eram ditos como nascidos de mães virgens: Marduk, Gilgamesh, Buda, Osíris, Dionísio, Genghis Khan, Jesus – todos eles eram ditos como filhos da Grande Mãe, da Original, o poder mundano deles decorrente Dela. Quando os hebreus usavam essa palavra no aramaico original significava “donzela” ou “jovem”, sem significar castidade sexual. Mas os tradutores cristãos posteriores não poderiam conceber a ideia da “Virgem Maria” ser uma mulher independente sexualmente, então nem é preciso dizer: eles distorceram o significado da palavra para sexualmente pura, casta, nunca tocada.”

– Monica Sjöö, The Great Cosmic Mother: Rediscovering the Religion of the Earth

Por favor, lembre-se de compartilhar trechos ou textos completos do blog sempre com os devidos créditos!