7 Princípios Zen e Como Aplicá-los à Vida Moderna

“Antes da iluminação, corte madeira, carregue água. Depois da iluminação, corte madeira, carregue água. ” ~ Provérbio Zen

Em nossa visão de mundo ocidental, temos a tendência de sempre buscar um resultado final. Somos ensinados a trabalhar para um fim que justifique os meios. Estamos frequentemente condicionados a colocar o carro em busca da iluminação e a sua necessidade de alcançá-la na frente dos bois que nos levarão até lá, como se “houvesse” algum estado elevado ou exaltado “acima de tudo”. O zen ensina o oposto disso.

Não existe tal estado. Não há iluminação final. Ou, se houver, só pode existir no momento, durante o processo, desapegado da iluminação. Ou então, completamente não apegado a ela, a pessoa fica conectada a todas as coisas através dela. Não é um destino, mas uma direção. Não é um objetivo final, mas um processo. Só é alcançável quando se entende que, em última análise, é inatingível. A única maneira de encontrar a iluminação é não procurá-la, mas simplesmente ser, sem precisar ser. Apenas respire através da experiência. Respire no mundo. Expire o ego. E então repita.

Em nossas vidas diárias, temos muitas tarefas e muitas distrações que nos levam pouco a pouca a esquecer da conexão do eu-sou-aqui-agora, mas existem maneiras simples de nos integrar de forma saudável com a vida e o mundo e o Zen possui práticas interessantes que podem trazer mais fortalecimento e clareza. Hoje listamos 7 delas!

zen

1) Zen e a arte do questionamento profundo

“A Verdade bate na porta e você diz: ‘Vá embora, estou procurando a verdade’ e assim vai embora, intrigado.” ~ Robert M. Pirsig

O que é crucial para entender é que o foco no Zen é fazer as perguntas certas. As perguntas são primárias, mas respostas são secundárias. Isso ocorre porque as respostas são fluidas e extremamente pessoais, únicas para cada pessoa. No Zen, as respostas são construções flexíveis e maleáveis, ou deveriam ser. As perguntas também são, mas as perguntas são mais fundamentais do que as respostas. O questionamento profundo é um questionamento filosófico: questões espirituais e existenciais que emergem organicamente da contemplação zen. A tentativa de responder a essas questões profundas é uma alegria em si, quer se chegue ou não a uma “resposta”. Na arte do questionamento profundo, é importante melhorar a questão, pois descobrir uma resposta final é menos importante.

2) Insight e Zen Koans:

“Se você encontrar o Buda na estrada, mate-o.” ~ Zen Koan

Os Koans Zen são enigmas mentais destinados a forçar ou chocar a mente para a iluminação. Como a citação de abertura desta seção, por exemplo. Isso choca a mente em não-mente. Força a mente independente a se abrir para a mente interdependente.Ela nos resgata de nos afogar em nossas águas confortáveis estagnadas. O objetivo do Koan é exaurir a mente analítica e egoica, a fim de revelar a não-mente mais intuitiva. Eles simplesmente apontam que a realidade em si não pode ser “capturada” na explicação, apenas liberada na improvisação.Todos nós podemos usar Koans Zen para alavancar alguns insights sobre nossas vidas imperceptíveis. Melhor ainda, crie alguns Koans únicos e veja o que acontece.

3) Tire o foco do mero conhecimento de sutras e doutrinas sagradas

“Eu vivi com vários mestres Zen – todos eles gatos.” ~ Eckhart Tolle

Não superestime as doutrinas sagradas. A maioria deles é superestimada na melhor das hipóteses e desatualizada na pior das hipóteses. Eles rapidamente tornarão você espiritualmente preguiçoso e existencialmente complacente. Leia-os, absorva-os, leve-os a uma profunda consideração e, em seguida, siga em frente com o seu coração, mas com a sua mente questionadora profunda aberta a novas possibilidades. Colocar em prática o conhecimento no processo através da meditação de estar presente no momento e da disciplina diária é muito superior e mais saudável do que confiar apenas nos sutras e em doutrinas. Filtre deles o conhecimento saudável que você pode obter e utilizar para seu desenvolvimento, mas se concentre mais em aprender diretamente do seu Eu Superior.

4) Zazen: Conheça o seu “rosto original”

“Isso é simplesmente sentar em silêncio, testemunhando os pensamentos, passando diante de você. Apenas testemunhando, não interferindo nem mesmo julgando, porque no momento em que você julga você perdeu o testemunho puro. No momento em que você diz “isso é bom, isso é ruim”, você já pulou para o processo de pensamento. ” ~ Osho

O zazen é a prática central do zen. Literalmente significa “meditação sentada”. É sobre sentar e respirar e deixar que pensamentos, imagens, ideias e palavras passem sem que você se envolver com eles.É simplesmente uma respiração profunda e concentrada com a intenção de limpar a mente e renunciar à ela todas as coisas, incluindo o eu. Uma vez que a mente de macaco hiperativa está quieta, a “cara original” aparece.Como o mestre zen Daito explicou: “Os pensamentos podem ser comparados às nuvens. Quando as nuvens desaparecem, a lua aparece. A lua da totalidade é o rosto original. Os pensamentos também são como o embaçamento de um espelho. Quando você limpa toda a condensação, um espelho reflete claramente. Tranquilize seus pensamentos e contemple seu rosto original antes de você nascer.

5) Canto Zen (OM)

“Om o canto Divino é ao mesmo tempo simetria, supersimetria, simetria quebrada e a ininterrupta simetria da natureza.” ~ Amit Ray

O Om foi descrito como o som do universo. É a frequência primordial do universo que contém todos os sons em si. Como tal, Om é o som da consciência suprema, o mais puro nome de Deus. Quando cantamos o mantra OM, estamos falando a linguagem de Deus (Infinito / Criação).Entoar o OM é uma maneira de se conectar com o ideal dentro de si mesmo. Quando feito em combinação com a prática de respiração profunda, é uma maneira poderosa de abrir o chakra da garganta, o chakra do terceiro olho e o chakra coronário.Pratique uma meditação Om básica durante o Zazen ou mesmo em meditação ativa como Kinhin: Zazen que consiste em estar em movimento observando e percebendo os aspectos corporais. Cantar os principais sutras, como o sutra do coração, também pode ajudar o praticante Zen a se conectar mais profundamente ao caminho do bodhisattva.

6) Zen e Arte (Wabi-sabi)

a-zen3-376x278

“Estas montanhas que você está carregando, você só deveria subir.” ~ Najwa Zebian

A arte zen é capturar a essência de um objeto, cena ou sentimento. Nos círculos zen, o domínio espiritual nas artes é primário e o domínio técnico é secundário. Muitas vezes, é mais sobre espontaneidade e improvisação após profunda contemplação meditativa do que sobre tentativa e erro na técnica. O estilo de pintura favorecido por artistas Zen é conhecido como sumi-e. Uma forma de drama inspirada no zen chamada de não-drama. Depois, há o zen familiar da poesia haiku. Todas essas artes são como o zen, na medida em que tentam aproveitar a “maior parte da essência através do mínimo possível”. Então, há o wabi-sabi considerado por muitos como a representação material do zen-budismo. Aqui está uma pequena lista compreendendo os princípios básicos do wabi-sabi:

Fukinsei: assimetria, irregularidade;
Kanso: simplicidade;
Koko: básico, intemperizado;
Shizen: sem pretensão natural;
Yugen: graça sutilmente profunda, não óbvia;
Datsuzoku: ilimitado por convenção, livre;
Seijaku: tranquilidade.

7) O humor Zen e sabedoria louca

“Como dizem no Zen, quando você alcança o Satori, nada resta para você naquele momento do que dar boas risadas.” ~ Alan Watts

A louca sabedoria é sobre o aproveitamento do renegado Buda dentro de todos nós, aquela parte de nós que é divina, mas também selvagem e livre. Essa parte de nós que se esconde nas ervas daninhas do inconsciente, pronta para nos levar a uma consciência mais elevada. Cunhada por Chogyam Trungpa, ela existe desde o começo do budismo.

O próprio Buda foi um renegado espiritual, afinal. Dois dos mais famosos e loucos sábios mestres zen foram o Zen-poeta do século IX Han-shan e o mestre Zen Ikkyu.Han-shan (Cold Mountain) fugiu para viver em uma caverna como ermitão e era conhecido por rir histericamente quando alguém lhe perguntava sobre a natureza do zen. Ikkyu era excêntrico, travesso e sempre superando seus professores como um herege/santo que frequentemente dava ensinamentos em bordéis e bares ao invés de templos budistas. A louca sabedoria ensina, talvez, a lição mais importante em nossa tentativa de alcançar a iluminação: Manter sempre um bom senso de humor.

Todas essas sugestões que listamos aqui explana sobre o que é essencialmente o Zen e seu profundo ensinamento de estar aqui e agora! Abaixo segue um vídeo da Monja Coen falando mais sobre:

~*~

A vida acontece no agora, você está aqui? Ahoooo família! Muitas graças sobre nossas vidas nesse novo ciclo que se inicia, que possamos a cada dia ser, estar e compartilhar o aqui e agora em autenticidade ❤

Texto por Gary Z McGee + YanRam para O Grande Jardim.

Por favor, lembre-se de compartilhar trechos ou textos completos do blog sempre com os devidos créditos!

Leia também:

Anúncios

Sobre YanRam

Capricorniana com a cabeça nas nuvens e o pés na terra. Parte do mistério e eterna aprendiz. Massoterapeuta em Divina Massagem.

1 Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s