As Inevitáveis Iniciações do Caminho Sagrado

 

A evolução espiritual  é uma jornada não-linear, incessante, ilimitada e não atrelada ao tempo. Não se pode realmente decifrar as etapas claramente; cada pessoa tem suas próprias lições e dívidas cármicas que variam substancialmente, fazendo-se impossíveis de se fazer afirmações gerais. Da mesma forma, as tendências dentro da nossa própria vida nunca são trazidas à completa clareza para nós; estamos sempre um passo atrás da compreensão mágica do desdobramento que é esta experiência preciosa, a vida. 

No entanto, em um nível energético todos são desafiados e friccionados por sentimentos semelhantes, ainda que em diferentes contextos. Nós todos devemos aprender a fluir através do rio do pensamento, em direção ao oceano de silêncio. Todos sempre são e serão presenteados com o convite à inguinação ao coração. Das faíscas que saem de nossa desconexão humana dolorosa, somos convidados à perfurar através da ilusão e aterrar-se através de sentimentos de falta, na busca de manifestar a abundância. E, quando estamos prontos para o fortalecimento, devemos dar um enorme salto de fé para o abismo incerto da insegurança.

“Beba-se a vida em sua imperfeição, porque isso também é tão vital como a bem-aventurança para transcender a ilusão de ‘tempo’ e se conectar com a impermanência.”

Com isso em mente, o primeiro passo no caminho é o encontro inicial com potencial; um afogamento temporário, como uma alma emergente ofegando por luz. Esta fase do despertar é muito bonita, e ela nunca realmente termina. Nosso relacionamento com o potencial mantêm o aprofundamento, enquanto a nossa busca amadurece a luz.

O segundo passo se sobrepõe com o primeiro (a atribuição de selos de tempo entre as fases é sem sentido), pois é um processo muito mais exaustivo do alinhamento energético. Uma vez que compreender a extensão da generosidade que a vida tem para oferecer, somos convidados a replicar essa generosidade dentro de nós mesmos. Nossas escolhas, padrões de estilos, relacionamentos, e o mais importante: como tratamos nosso próprio templo (corpo&mente&alma) todos reaparecem para serem revistos e revisados.

Nós então, passamos a enxergar com clareza os fios karmicos que temos tecido em torno de nós, que contraem a liberdade selvagem na densidade domadora. Este passo no caminho acena a nossa atenção ao longo da vida, mas à medida que amadurecemos espiritualmente, o alinhamento energético é realizado sem esforço. Se queremos nos atrasar ou não seguir em direção ao amadurecimento espiritual, passamos a ser obcecados em amar os nossos egos; entregando-nos simplesmente ao sentir da brisa de prazeres sensoriais, quando com um pouco mais de trabalho e esforço com o aprofundamento, podemos aprender a voar até nas mais tortuosas tempestade do espírito.

Enquanto estamos criando a pedra fundamental do alinhamento energético, que são atingidos com o próximo passo, que inevitavelmente nos obriga a encontrar serenidade no sofrimento. Esta etapa é altamente desconfortável; exteriormente forçando-nos a recuar para os nossos casulos confortáveis, enquanto secretamente nos espera ressurgir magistralmente após cada obstáculo. Sentimentos de solidão, sentimentos de falta, fissuras entre nós e a realidade que nos rodeia caracterizam essa fase. Não é fácil achar a porta de saída deste estágio, porém ela existe, e é através do aprendizado de estar presente com a dor, cavalgando através do mais baixo dos pontos até que a dor não possa mais suportar a sua presença. Crises de intensa dor irão te manter renascendo, apenas para se certificar de que temos que trabalhar continuamente no cultivo da presença. Esse passo é o mais difícil no início, mas fica vai ficando cada vez mais fácil com a prática. O período de tempo necessário para passar o início desta fase está ligada ao quanto a presença-alma que cultivamos trabalha em oposição ao amor do próprio ego.

O auto-amor do ego nos permite uma janela para escapar da dor; que nos faz acreditar perigosamente que a vida não é pra ser vivida de forma tão intensa. Juntamente com os processos internos desta fase, nós também começamos a perceber a dor no mundo que nos rodeia; os vários tipos de dor e injustiças manifestadas a partir do duro sofrimento da Mãe Terra. Passamos então a sentir um profundo chamado interior para fazer algo que beneficia o todo maior, e muitas vezes o mártir chega ao lado de sua vocação; finalmente aqui para salvar a humanidade e o Jardim.

1f0856428def6f2e9e219bdf46774b02

E então a próxima fase chega, intercalada com soluços de medo e liberdade selvagens, pedindo-nos para fazer coisas mais “perigosas”. Em geral, ela chega como uma camada à cima das outras fases para a maioria, se os fundamentos estruturais das fases 2ª e 3ª ainda estão fracos.

Esta etapa carrega uma bênção.

A bênção enquanto tem o poder de implodir todo o processo se rejeitada, também pode fornecer força se é aceita. Esta é a fase de fortalecimento espiritual. Começamos a ouvir a voz de dentro com clareza, trabalhando internamente de forma diligente e somos recompensados de forma exponencial; compreendemos claramente o que se entende por nós e o que não. Durante esta fase no caminho, que nos é apresentada como um anseio primordial para a liberdade selvagem, nos sentimos abraçados por uma condição: o saltar!

Independentemente da circunstância individual, vai chegar um ponto em que devemos alterar drasticamente o curso de nossas vidas, devemos saltar em um abismo de incerteza, renunciando toda a estabilidade que por tanto tempo foi sugando-nos. Muitos optaram por não aceitar o fortalecimento, e existem mil maneiras de argumentar com as razões perfeitas a respeito de porque este reforço não vale a pena. Acreditamos que existem inúmeras outras coisas que nos ajudam a crescer muito mais do que nós mesmos. Porém, o salto é uma armadilha permanente, prendendo tudo dentro de nós que está a se contrair e expelindo toda a presença limitante dentro de nós, ao fazermos a oferta final de toda nossa presença ao mestre: a alma.

A força que floresce após o salto é o que nos permite caminhar a longa bem-aventurada jornada do restabelecimento da conexão da alma. É necessário ir muito longe e profundamente no interior, para juntar todas as peças quebradas de nós mesmos. Cada peça encontrada, um tesouro indescritível. Cada uma das peças, faz a mudança do mártir tentando salvar a humanidade e o planeta, para o messias que tenta recolher pedaços da alma. As peças da alma contêm os segredos para acender o fogo sagrado que irá restaurar a Shambhala (trad. sanscrito:  um lugar de paz, felicidade e tranquilidade) na Terra!

~~*~~

Ahoooo!!! Belíssimo texto de Rohil Jethmalani postado em Wake Up World

Para finalizar, deixo aqui uma música que expressa bem a mensagem sobre a teimosia de evitar o caminho..!

“Reconhecer que é preciso trabalhar, prestar atenção para poder perceber.. Pra progredir é preciso se firmar, ter humildade para poder receber” ❤

Tradução: NM

Por favor, lembre-se de compartilhar trechos ou textos completos do blog sempre com os devidos créditos!

 

Anúncios

Um comentário em “As Inevitáveis Iniciações do Caminho Sagrado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s