O homem é o Deus Adormecido; Deus é o Homem Desperto

  • Alex-Grey-768x1024

“Deus é um círculo cujo centro está em toda parte e a circunferência em nenhuma parte.” ~ Voltaire 

Em um mundo cheio de pessoas propagando o medo e outros propagando guerra. Em um mundo onde a maioria das pessoas estão dormindo, presos sob o feitiço do Estado embelezado pelo excesso de consumo de uma hiper-realidade. Em um mundo onde o que não importa realmente importa mais do que o que realmente importa. É muito fácil cair entre as rachaduras. É muito fácil ficar à margem. É muito fácil cair em um estado de apatia e indiferença.

É muito fácil permanecer dormindo. Mas há uma maneira de colocá-lo em perspectiva. Existe uma maneira de virar a mesa contra a apatia. Existe uma maneira de transformar a nossa indiferença estagnada em imaginação pró-ativa. Existe uma maneira de tirar o verme do nosso animal angustiado para fora do buraco que se encavou, e dar-lhe asas. Existe uma maneira de abraçar a sombra; para ajudar a renovar sua pele de cobra; de volta para o jogo da vida, como um aliado, como a nossa mão-direita. Existe uma maneira de ser um herói neste mundo, apesar da covardia de nossa vítima interior. Na verdade, há uma maneira de ser um herói neste mundo usando a covardia de nossa vítima interior como combustível que nos lança em um novo nível de heroísmo: heroísmo cósmico. Mas em primeiro lugar, temos de chegar a um acordo com nós mesmos. Temos que respirar fundo e perceber que somos uma espécie ainda muito jovem e confusa em um universo antigo e aperfeiçoado. Temos de estar bem com o fato absoluto de que somos seres humanos – finito, impermanentes, e mortais, a fim de compreender que somos seres espirituais – interligadas, interdependentes e recorrentes em diferentes formas.

O homem é o Deus Adormecido

sleeping-gypsy

“Aqui está uma nova prática espiritual: Não leve seus pensamentos tão a sério”  ~ Eckhart Tolle 

Tudo bem sermos animais. Tudo bem sermos imperfeitos. Tudo bem sermos falíveis e propenso a erros. Tudo bem sermos seres espirituais aprisionados na pele humana. Tudo bem estarmos parte do tempo dormindo espiritualmente. E tudo bem voltar a dormir depois de ter sido despertado espiritualmente. Tudo bem sermos indivíduos que tentam se individualizar. Tudo bem sermos agentes independentes se tornando um todo interdependente. E tudo bem falharmos. O fracasso é apenas um trampolim. Um de muitos. Entre o homem e Deus há um véu. E está tudo bem em existir um véu. Somos tanto o véu como ser humano a tentar ver através dele, como nós somos Deus tentando esquecer que já tem. Como Rumi disse: “O ego é um véu entre o homem e Deus.” E isso é bom. Deve ser. No caminho em direção à iluminação, o ego é tão importante como a alma. Temos de ser capazes de encontrar a alavanca entre ambos, a fim de individualizar o ego e atualizar a alma.

Entre os estados de sono e vigília, há um terceiro aspecto: a metamorfose. Algumas vezes, a metamorfose requer um chamado para despertar. Algumas vezes, requer uma chamada da aventura. Às vezes, isso requer uma reviravolta total do nosso estilo de vida atual. Às vezes é tão simples como procurar a solidão e a meditação. Às vezes, é todos os itens acima. Mas sempre exige imaginação e a razão. Seja antes ou depois, a metamorfose exige o pensamento criativo e a capacidade de crescer razoavelmente, juntamente com o arrebento de nossas zonas de conforto. De vítima do mundo para se tornar o mundo, a nossa zona de conforto se estende e a nossa coragem cresce. Eventualmente, nossa zona de conforto não é só o mundo, mas a própria realidade. Nós nos libertamos. Através da coragem toda-poderosa do nosso poder espiritual triunfa o poder pseudo religioso / político / nacionalista, vamos de vítima do cosmos para se tornar o cosmos. Acho que agora é o momento perfeito para um vídeo reflexivo do mestre Allan Watts:

Abrimos o paradigma e ascendemos. Nós nos tornamos o cabo-de-guerra entre a carne e o espírito; tanto no amor com nossas raízes como no amor com o útero infinito do cosmos. Tornamo-nos eterno, infinito, conectados com tudo, percebendo que sempre fomos. O véu foi rasgado. O homem, como Deus dormindo tornou-se Deus como homem desperto.

Deus é o Homem Desperto

“As coisas terrenas devem ser conhecidas para serem amadas. Coisas divinas devem ser amadas para serem conhecidas. “~ Blaise Pascal

Nossa mente é o cosmos olhando através de nós, usando-nos como criaturas que tem o poder de trazer o significado a um universo que de outra forma é desprovido dele. Assim, trazendo o “Significado” em si, que só nós somos responsáveis por. Uau! Olhando para o universo através de nossa perspectiva única, o universo – de outra forma infinito, de outra forma interligado, de outra forma sem sentido – fivelas e curvas em formas finitas, entre tempo e espaço, e noções poderosas de compaixão, empatia e amor.

Flores tornam-se feixes coloridos de átomos desencadeando perfumarias únicas vindas de cada espécie. Pores do sol tornam-se camadas deslumbrantes de cosmos-além-cosmos justapostos com os nossos corações em camadas de memória-além-memória, amarrando todos juntos através de um meio chamado Tempo. Onde noite se torna dia, sol torna-se lua, nascimento torna-se morte e o renascimento que está escondido no meio.

Deus é o homem acordado quando a compreensão coloca tudo em perspectiva. Quando se compreende que o significado, pensamento, e até mesmo a imaginação, tudo é apenas temporário, todos sujeitos a Verdade subjetiva e de que tudo é apenas impermanente, tudo fica mais bonito por causa desse fato. Deus é o homem acordado quando o pseudo poder religioso é superado pelo autêntico poder espiritual. Quando a morte se torna o professor da Vida. Quando a dor torna-se o professor do Perdão. Quando o não-apego torna-se o professor do Amor & Coragem. Quando absurdo torna-se o professor de Humor.

Deus é o homem acordado quando a desesperança se transforma em aventura, desespero em uma razão de excelência. Quando se compreende, como Pablo Picasso diz, “A situação é desesperadora. Temos de dar o próximo passo.” De fato. O próximo passo sempre vem em forma de uma gentileza inflexível, uma obstinação suave, uma superação amorosa, e um rigoroso auto-perdão. Percebe-se que é tão bom ser Deus dormindo como é bom ser homem acordado.

Tudo bem ser um verme escondido (cura) como é bom ser um Deus subindo (iluminando). É sempre ambos. É uma intermitência. É uma inspiração e expiração. Inalando o divino e exalando a criatura, e vice-versa.  Ele está buscando, sempre buscando a impermanência permanente, que o auto olho de Deus nos vê e através do qual vemos Deus. É essa descoberta minúscula, essa auto-descoberta consistente e persistente que vira auto-superação. Agora, compreende-se as sábias palavras de Rumi: “Seja implacável em sua busca, porque você é a pessoa que você procura.”

Através dessa impermanência permanente que somos capazes de enxergar de variadas formas os mesmos parâmetros, e é nesse jogo mental que se realiza a descoberta. Porque se perder também é preciso!

~*~

Obrigado e muita luz! Gostaria de agradecer especialmente ao meu querido amigo LF que me inspira todos os dias ❤

Fontes: Filosofias de Gary Z. McGee + Allan Watts + Rumi + Pablo Picaso + Imagens: Alex Grey (1) e Henri Rousseau (2)

Elaboração e Tradução por YanRam para O Grande Jardim.

Por favor, lembre-se de compartilhar trechos ou textos completos do blog sempre com os devidos créditos!

Leia também:

Anúncios

5 opiniões sobre “O homem é o Deus Adormecido; Deus é o Homem Desperto”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s