8 Arquétipos da Consciência Humana

As inúmeras faces da psique humana se torna um playground fascinante quando se encontra com os conceitos arquétipos Jungianos. Usados em contos e mitos psicológicos e expressos na arte, o incontável número de arquetípicos provém os caminhos potenciais do indivíduo. Carl Jung salienta que cada indivíduo se identifica e trabalha com 12 arquétipos principais no decorrer de sua experiência de vida, e esse conhecimento serve para se compreender melhor, sua disposição perante o mundo, como o enxerga e finalmente, sua sombra (ego).

Hoje falaremos sobre os 8 principais arquétipos transformativos que nos ajudam a olhar para dentro. Tal como acontece com as nossas circunstâncias e vidas passadas, o melhor é não se associar com um ou dois tipos na necessidade de rotular o ego, mas reconhecer que exibimos todas as facetas dentro de nossa psique, elas estando dormentes ou ativas, e que esse conhecimento abraça a noção de que somos todos interdependentes; uma expressão da mesma fonte e o reflexo uma da outra. Somos um. (Leia: A Geometria Sagrada da Personalidade, Pensamentos e Sentidos).

A Criança

O órfão, a criança indesejada, a natureza, a magia, o divino e eterno que todos carregam dentro de si. Nós todos temos uma criança interior e o tipo que nutrimos pode nos dizer muito sobre o que realmente arranca tumbas dos nossos corações. A Órfã é a criança perdida, sem uma identidade sólida em que se têm a oportunidade de sentir o sofrimento profundo e ainda ver a vida como ela é, sem apego.orphan-archetype

Sua sombra é a sua probabilidade de se tornar a vítima, consumido em sua perda, muito parecido com a criança mágica que vai assumir que será “salvo” e que o destino tem mais força do que suas próprias ações.

A criança divina e eterna representa o mestre sábio, que já está começando a voltar para casa, eles são os sábios e profetas que têm muito a nos ensinar e são calmos mesmo reconhecendo sua pouca idade. Quando começamos a tomar estes passos para a luz, encontramos dentro de nós um grande sentido de inocência e da verdadeira natureza amorosa do mundo, ao contrário do órfão, sábio de rua e do conceito “cão come cão”.

O Regente

A Matriarca, o Patriarca, Rei, Rainha e o Regente utilizam a liderança como um meio de se expressar e descobrir-se. Como tratamos os outros quando lidamos com grande poder pode nos dizer muito sobre nós mesmos. Os livros de histórias e estórias estão recheados com este arquétipo: os bons e poderosos governantes, e os tiranos. A Rainha Branca ou bruxa, representada pela Rainha de Espadas no pacote de Tarot é particularmente interessante, bem como prevalente e questionadora das nossas The_Snow_Queen_by_Elena_Ringo-e1425884241588noções tradicionais de “mal”.

Por exemplo, uma mulher que teve seu coração partido inúmeras vezes, pode se tornar tão “fria” que escolhe retirar-se da sociedade e torna-se isolada em uma paisagem dominada pelo nevasca, atraindo crianças e seguidores para montar seus carros pela neve. Ela é aquele que pode ser encontrado em todos nós e nos convida a derreter nossos corações e confiança novamente, para se reconectar com o herói ou Deusa que há dentro de nós mesmos e redescobrir os aspectos positivos do Sagrado Feminino, como a bondade, compaixão e comunhão amorosa . De certa forma todos nós estamos vindo do frio…

O Palhaço

O Bobo da corte, o Travesso, o Coringa ou o Tolo é a sombra daqueles que se tornaram amargos e usam seu humor para fazer piadas cruéis aos que os rodeiam.
Eles podem ser malandros refrescantes ou inebriantes que invocam sempre como presente a comédia da vida. Eles nos chamam para separar as duras realidades da vida e encará-la com uma pitada de sal, muitas vezes o fazem de uma forma aparentemente cruel.

Eles são os mestres que não têm ligações emocionais ou trickster-godfamiliares, mas que causam uma faísca de interesse em nós e podem causar um impacto profundo se nos encontrarmos com um. Humor e sagacidade equivalem ao poder desse arquétipo, mas as aparências podem enganar. Eles também aparecem frequentemente como o homem comum e raramente são associados com o romance; seu caminho é de uma vocação maior do que o amor nos relacionamentos, muitas vezes eles fazem amizade com uma criança para espelhar a inocência e simplicidade que há dentro de si.

O Visionário

O Criador, Visionário, Mago e Revolucionário, tradicionalmente arquétipos ditos como separados, mas que têm mais semelhanças do que você imagina. Eles são os líderes que conduzem a multidão através de seu pensamento independente e idéias frente-de-seu-tempo. O Mago no pacote de Tarot muitas vezes é aquele que tem domínio sobre as palavras e os quatro elementos, como é o cientista ou o inventor.

O revolucionário é geralmente mais inspirado por ação, mas dentro deste arquétipo “guarda-chuva”, pode ser sempre encontrado o caminhante solitário que vai contra a corrente, é ridicularizado durante toda a sua busca para encontrar seus pés e, em seguida, em última análise, é seguido e reverenciado quando finalmente levado a sério. Apaixonado e solitário, eles estão sempre construindo; impérios, invenções e feitiços mágicos, eles muitas vezes se esbarram com o arquétipo Eremita e podem parecer meio loucos.

O Explorador / Pioneiro

O Explorador, neste caso, eu coloquei como o herói; o indivíduo que sai de casa para encontrar-se, batalhas de monstros e, em seguida, retorna para casa para matar seus próprios demônios. Tal como acontece com todas as viagens, viajamos longe de casa apenas para descobrir que o que estávamos procurando era a nossa porta o tempo todo. Tal como acontece com Édipo de Freud, muitas vezes podemos ser tão atraídos para longe de casa, que nos tornamos bêbados na ilusão e cometemos erros enormes, indo cara à cara com nossos piores pesadelos e invocando consequências trágicas. Por outro lado, a situação do herói é o mais emocionante e aventureiro dos arquétipos. Todos nós temos o herói e a heroína dentro de nós e muitas vezes é esse papel que estamos evitando sob a forma do nosso verdadeiro potencial.

O Mestre

O Guia, Curandeiro ou Professor é alguém com quem se deve tomar cuidado quando bebido no poder. Eles podem vir com duas faces, muito parecido com o arquétipo do político ou pregador, mas ao contrário deles, à intuição é forte e são capazes de detectar as nuances energéticas.

Um verdadeiro professorteacher-archetype e guru é aquele que superou as muitas armadilhas do ego, a fim de ajudar os outros com toda a sinceridade. Praticar o que se prega é uma grande conquista e despertar outros com apenas uma palavra é ainda maior.

Colocando-se de lado –  Tendo alcançado já o status de herói -, a fim de levantar os outros e deixá-los brilhar é um caminho que irradia a verdadeira sabedoria e não pode ser tomada de ânimo leve. Na verdade, é provavelmente a responsabilidade mais pesada que podemos assumir; levando os outros sobre os nossos ombros e desviando uma multiplicidade de projeções, não é tarefa fácil.

O Buscador

O Desejoso, o Discípulo e o Sonhador, o Buscador é aquele que parece estar vagando sem rumo, sem objetivo real, mas na realidade é o mais liberato para a transformação espiritual. Ao contrário das ações mais ostensivas do Herói / Explorador, o Buscador é muito mais secreto e nômade, mantendo-se nas colinas e silenciosamente perguntando-se sobre todas as esferas da vida. Ao ser verdadeiramente espontâneo e aberto ao perigo, a verdadeira aventura começa, e muitos buscadores podem ser encontrados nas sabedorias mitológica e psicológica. Como Siddhartha ou Hesse e muitos outros uma, são uma alma aparentemente “perdida”, mas que pode-se elevar-se em grande bravura ao ser completamente solto.

O lado sombra pode ser um aluno que está constantemente sendo educado e nunca ejetado para as águas da vida, mas está constantemente aprendendo com uma sede de conhecimento que os leva para um caminho de iluminação. Questionando tudo e procurando por todos os cantos do mundo por respostas, o Buscador se ela/ele sabem que não irão cair na armadilha de um Guru charlatão, mas encontrarão um verdadeiro mestre ou ser capaz de, eventualmente, dominar-se. Ser desapegado às coisas terrenas e desejos distanciaram tais aspectos como a família, carreira e até mesmo as correntes do karma, o Buscador muitas vezes sobe aos altos para continuar a ser o observador da natureza humana e fica longe de qualquer obstrução ao divino.

Mãe Natureza

A qualidade de ser é compartilhada por todos os quatro arquétipos femininos primários, mas é uma especialidade da Mãe Terra. Este arquétipo simboliza o aspecto feminino de nosso instinto para a atividade. Seu parceiro é o Guerreiro. O objetivo de ambos é o poder e o sucesso e cada um usa a energia de diferentes maneiras: ele para fazer, ela por ser. De tudo que é associado com a feminilidade, ser é talvez o mais incompreendido. No mundo ocidental geralmente o vinculamos com a passividade, indolência, impotência e vitimização. Em um esforço para evitar tais estigmas, muitos de nós ignoram nossas inclinações naturais e nos forçamos a ficar ocupados. Porém, somente pela integração e equilíbrio podemos atingir nossos objetivos. Define o poder e sucesso através do processo de desenvolvimento de relações íntimas com nossos corpos, nossos eus inconscientes, outras pessoas, a natureza e os ciclos da vida. Como as deusas da fertilidade que carregam sua imagem, as mães humanas que levam a cabo a sua missão, e do planeta Terra que transporta a vida, o arquétipo da Mãe Terra cria, alimenta, dá a vida e protege a vida nova em nós.

Ela é a parte de nós que honra as verdades de nossas almas e nosso modo particular de ser, independentemente de quão diferente que possa ser. Sua orientação no tempo é o presente, onde ela aprecia cada momento e apóia as atividades da vida sem culpa sobre o passado ou ansiedade para o futuro.  Ser receptivo à este arquétipo não significa estar sempre fluindo sem uma âncora. Significa apenas que temos reverência para com poderes transcendentes e forças naturais incontroláveis e não luta-se desnecessariamente contra eles. A receptividade da Mãe Terra é como a estabilização, pois é de fluxo livre. Como David Rosen, autor de “O Tao de Jung” diz: “O Tao (caminho) é fixo e em movimento ao mesmo tempo.” Ele se fixa em seu respeito pela sacralidade da vida; ele se move de acordo com a evolução natural da vida.
Chu Hsi, um comentador do Tao Te Ching, disse o seguinte: “A fêmea é aquele que recebe algo e, com isso, cria. Este princípio criativo é a coisa mais maravilhosa do universo. Este é o verdadeiro poder feminino.”

~~***~~

Embora este seja apenas uma pequena amostra dos milhares de arquétipos que infiltram a psique humana, espero que este post possa desencadear um interesse em você para descobrir quais arquétipos estão correndo em sua vida e que te inspire a investigar mais!

Fontes: Fractal Enlig. + The Dork Report  + Café com Jung – Tradução: YanRam para O Grande Jardim

Por favor, lembre-se de compartilhar trechos ou textos completos do blog sempre com os devidos créditos!

Obrigado!

Anúncios

Sobre YanRam

Capricorniana, com a cabeça nas nuvens e o pés na terra. Parte do mistério do Multiverso. Eterna aprendiz.

1 Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s